Daily Archives: 03/12/2017 7:37 pm

Simpatia de jovens por Bolsonaro preocupa PT; sem Lula, eleitores migram para o deputado

 

(no Painel da Folha)

 

A simpatia dos jovens por Jair Bolsonaro tornou-se motivo de preocupação para o PT, que agora traça estratégias para minar o potencial do rival nessa fatia do eleitorado. A sigla identificou que, sem Lula na disputa pelo Planalto, parte dos jovens que o apoia migra para o deputado. Embora não faça sentido para os que ainda se aventuram na análise partidária/ideológica tradicional, o movimento, para o partido do ex-presidente, é prova do descolamento entre a sociedade e a política.

 

Em análises internas, petistas avaliam que entidades como a UNE, que antes faziam a ponte da legenda com os estudantes, perderam representatividade em parcela expressiva da juventude. Para tentar reverter esse fenômeno, o partido tenta se reconectar a diretórios estudantis —onde o PSOL passou a ter forte presença.

 

Segundo a última pesquisa Datafolha, publicada em outubro, Bolsonaro alcança sua melhor marca entre os eleitores de 16 a 24 anos: 24%. Lula também. Ele chega a 38%. Sem o nome do petista na urna, o deputado oscila para 27%.

Meirelles tenta atrair Temer e Maia para sua candidatura a presidente

 

(Deu na Folha)

 

O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, fez um cálculo político estratégico nas últimas semanas e decidiu investir de forma mais incisiva em busca do apoio de Michel Temer e Rodrigo Maia à sua candidatura em 2018.

 

Espremido pela disputa entre o PMDB do presidente da República e o DEM do chefe da Câmara —que procuram um nome para as eleições do próximo ano—, Meirelles avalia que precisa se consolidar como a opção de centro-direita aclamada por Maia, ao mesmo tempo em que faz a defesa do legado de Temer.

 

A recente influência do presidente da Câmara na redistribuição de cargos no governo mirava a articulação de uma aliança entre PMDB, DEM e partidos do centrão, como PR, PP e PSD, para as eleições de 2018. O objetivo era bem claro: isolar Geraldo Alckmin, provável candidato do PSDB à Presidência.

 

Filiado ao PSD, Meirelles resolveu se antecipar para encabeçar essa possível chapa e estabeleceu um piso de 5% das intenções de voto nas pesquisas de março como gatilho para se lançar na corrida ao Palácio do Planalto —hoje ele tem 2%.

 

Caso não chegue a esse patamar no mês em que os ministros que concorrerão às eleições precisam deixar os cargos no governo, Meirelles pode desistir da disputa.

 

Segundo apurou a Folha, a operação desencadeada pelo ministro já contou com reuniões reservadas com Maia e uma sinalização direta a Temer de sua disposição em ser o candidato governista.

 

O presidente disse a seus principais assessores que gosta da ideia de Meirelles, visto que o ministro afirmou que, desde já, defenderá o governo do peemedebista.

 

“Temer se interessa por quem defender seu legado”, argumenta o ministro Moreira Franco (Secretaria-Geral).

 

No último dia 19, um domingo, Meirelles se reuniu com Maia em sua residência oficial e tratou de um possível apoio do PSD ao DEM nos Estados em que o presidente da Câmara tem mais interesse: Rio de Janeiro e Bahia.

 

No primeiro, Maia quer eleger seu pai, Cesar Maia, governador, e, no segundo, alçar ACM Neto, prefeito de Salvador e seu principal aliado, ao Palácio Rio Branco.

 

Sem o compromisso do presidente do PSD, Gilberto Kassab, com seu projeto presidencial —Kassab quer ser vice de José Serra (PSDB) em uma eventual candidatura do tucano ao governo de São Paulo—, Meirelles poderia migrar para o DEM ou até para o PMDB e, assim, liderar a chapa governista.

 

Maia, por sua vez, também flerta com a ideia de ser ele próprio o candidato de centro-direita em 2018 e, por isso, ainda não se compromete com o ministro.

 

Em conversas com aliados, o presidente da Câmara diz que o PSD não pode se comprometer com o apoio ao DEM no Rio e na Bahia em troca de um acordo nacional, visto que Kassab tem seus próprios projetos. Acrescenta que, agora, também não pode garantir que Meirelles seja o candidato de seu partido.

 

Os entusiastas da aliança, porém, dizem que poderia haver um acordo tácito entre ambos até março: quem estivesse melhor nas pesquisas, por exemplo, sairia candidato, garantindo espaço para o outro no eventual governo.

 

Temer coloca o cenário sob outra perspectiva. Para o presidente, uma “equação possível” é ter Meirelles como candidato e Maia vice.

Governo Temer

Apesar dos movimentos de articulação política bastante concretos, Meirelles sabe que precisará fazer um grande esforço se quiser alcançar 5% nas pesquisas até março.

 

Sua imagem está ligada a uma agenda impopular, protagonizada pelo ajuste fiscal e pela reforma da Previdência, as principais bandeiras do governo Temer.

 

Sem tempo de TV até lá —apenas um programa do PSD será exibido em dezembro com o ministro—, Meirelles quer investir no eleitorado evangélico para crescer nas intenções de voto.

 

Para engrossar as estratégias de quase pré-campanha, a equipe do ministro encomendou pesquisas sobre o perfil desse eleitorado e, como informou o “Painel”, ele continuará investindo em reuniões com Maia após a votação da Previdência.

 

A votação da reforma, segundo aliados de Temer, poderia funcionar como alavanca da chapa governista, porque mostraria a liderança de Maia e animaria os números da economia, vitrine para o desempenho de Meirelles.

 

O governo, porém, ainda está longe de ter o apoio dos 308 deputados necessários para aprovar a medida e a votação na Câmara pode ficar só para o ano que vem.

 

Comentário do programa – Com a desistência de Huck, dois outros nomes surgem no horizonte político como candidatos a Presidência da República, além das pretensas candidaturas de Lula e Bolsonaro: o governador de São Paulo, Geraldo Alkimin, e o Ministro da Fazenda, Henrique Meirelles. (LGLM)

Após ser expulsa do PMDB, Kátia Abreu chama Jucá de ‘canalha’

 

(Deu na Folha)

Kátia Abreu no Poder e Política((Deu na Folha)

Expulsa do PMDB por decisão do conselho de ética da legenda, a senadora Kátia Abreu (Sem partido-TO) chamou o senador Romero Jucá (PMDB-RR) de “canalha”, “crápula” e “ladrão de vidas e almas brasileiras”.

 

Ela disse ainda que o PMDB “não reúne condições morais e virou o escárnio da nação”. “Por que me expulsaram? Porque tenho princípios? Porque tenho coerência? Porque não sou oportunista? Porque não faço parte de quadrilha? Porque não faço parte de conluio? Porque não estou presa? Porque não uso tornozeleira? Porque não tenho apartamento cheio de dinheiro? Ou porque não apareceu nenhuma mala cheia de dinheiro da senadora Kátia Abreu?”, questionou.

 

Jucá, que é líder do governo no Senado, é presidente interino do PMDB. Por maioria, a sigla decidiu na semana passada remover a senadora do seu quadro alegando descumprimento de orientações partidárias e por ela ter feito críticas ao governo Michel Temer.

 

Em pronunciamento no plenário do Senado, Kátia disse que sua expulsão se deu por uma “figura conhecida por ser uma pessoa nociva à vida pública brasileira e ave de rapina da coisa pública”, disse, em menção a Jucá.

 

Durante a fala da senadora, parlamentares de oposição como Paulo Paim (PT-RS) e Lídice da Mata (PSB-BA) pediram a palavra, mas foram impedidos de se pronunciar pelo senador João Alberto Souza (PMDB-MA), que presidia a sessão. “Eu tenho certeza, senador, de que se fosse aqui Romero Jucá, esse canalha, esse crápula do Brasil, esse ladrão de vidas e almas alheias, o senhor teria sido mais condescendente com ele”, criticou Kátia.

 

Ela aproveitou ainda para fazer ataques ao tucano Aécio Neves (MG), alvo de denúncia por corrupção e obstrução da Justiça. “Tem havido muito mais condescendência nesta hora. Quantas horas ganhou aqui Aécio Neves para fazer uma defesa pífia a troco de nada? Quantos outros ganharam aqui um tempo exorbitante para fazer a sua defesa e receber a defesa dos colegas? E hoje eu estou impedida”, disse.

 

Kátia foi ministra de Agricultura do governo Dilma Rousseff e permaneceu no governo mesmo após orientação do seu partido para deixar os ministérios durante o processo de impeachment. Desde então, ela adota postura de oposição ao governo do PMDB e faz críticas diretas a Temer.

Presidente precisa ter caráter?

 

(Hélio Schwartsman, colunista da Folha)

 

Essa é difícil. Você prefere eleger um presidente com problemas de caráter, mas que proponha políticas que estão de acordo com suas preferências, ou um que seja um homem íntegro —”a mentsch”, para usar a expressão iídiche—, mas de cujas ideias você discorde peremptoriamente?

 

O ideal seria reunir num só homem o caráter e as boas propostas, mas as Parcas não são tão generosas para com os mortais. Como bom consequencialista, eu me inclino mais pela primeira opção. Se o sujeito é um fdp, mas está fazendo o que é certo, centremo-nos nos resultados.

 

A eleição de uma pessoa para presidir o país, afinal, não equivale à escolha de alguém para casar. O objetivo não é passar a vida inteira ao lado desse indivíduo, mas apenas definir quem vai administrar o país pelos próximos quatro anos, na esperança de que proporcione avanços.

 

Essa visão mais pragmática encontra eco nos dois campos ideológicos. Os que defendem o governo Temer o fazem porque, apesar das gravíssimas suspeitas contra o presidente e seus auxiliares, a administração começou a tirar a economia da lama. De modo análogo, parte dos que querem reeleger Lula se dobra a alguma versão do “rouba, mas faz”. Já Dilma, numa interpretação benigna de sua Presidência, seria nosso tipo dois: uma pessoa no geral correta, mas incompetente. Não há muita gente defendendo sua volta.

 

É evidente, porém, que as coisas não são tão simples. Em muitas situações, problemas de caráter podem comprometer o desempenho das funções presidenciais. Esse é claramente o caso de Donald Trump.

 

A moral da história, parece-me, é que, na escolha de um presidente, faz sentido privilegiar a viabilidade do programa, mas o caráter não pode ser inteiramente esquecido. O cara não precisa ser o melhor sujeito do mundo, mas também não pode ser tão patife que se torne disfuncional. Lembre-se disso no ano que vem.

“Essa é a hora de se fazer algo pelo Açude Jatobá. Ele secou! ”, relata cidadão, em Patos

 

(Jozivan Antero, no Patos Online)

 

Zezão da Boiadeira, residente no Bairro Mutirão, em Patos, fez um apelo as autoridades na manhã desta sexta-feira, dia 01, quando recebeu a reportagem do Patosonline.com para verificar in loco a situação de penúria vivida pelo manancial mais querido pela cidade. Ele pede, juntamente com centenas de pessoas, que as autoridades realizem serviços de desassoreamento, limpeza, melhorias e conclusão de obras no açude.

O Açude Jatobá está completamente seco mais uma vez. Na atual situação, o manancial deveria receber melhorias em toda a sua extensão devido ao aterramento, presença de plantas, problemas no balde, no sangradouro, além de a estrada que passa sobre o balde está sem conclusão de serviços que foram iniciados para pavimentação em paralelepípedos.

 

“As autoridades falam, mas não agem! Eu vejo muita propaganda e as ações não acontecem. Mais uma vez eu vejo o açude seco e tendo a oportunidade de se fazer um trabalho de reestruturação aqui enquanto as chuvas não vêm, pois se vierem fica tudo do mesmo jeito. É uma vergonha, sabe? Dá uma tristeza ver o Jatobá seco. Porque não fazem nada logo? Estão esperando o que? ”, indaga Zezão que fica sem respostas.

 

Recentemente, o prefeito da cidade de Patos, Dinaldinho Wanderley (PSDB), esteve em Fortaleza (CE) onde protocolou ofício junto ao Departamento Nacional de Obras Contra a Seca (DNOCS) pedindo serviços de desassoreamento no Açude Jatobá. Os representantes receberam o ofício do prefeito, porém não deram resposta sobre o pleito.

 

O Açude Jatobá pertence ao Governo Federal e o Deputado Federal Hugo Mota (PMDB) é correligionário do presidente Michel Temer (PMDB). Os cidadãos também cobram do deputado uma posição diante do drama vivido pelo manancial na necessidade de melhorias.

 

 

Pedro Oliveira promoveu na última sexta a XV FESTA DO PRÊMIO CONSTRUTORES DO FUTURO

 

Foi uma belíssima festa nos salões de exposição da VIA LESTE, na saída para Campina Grande. Dezenas de pessoas das mais diversas atividades receberam o troféu de CONSTRUTORES DO FUTURO. O troféu era um livro com o histórico de todos os homenageados.  A festa teve como padrinho o prefeito de João Pessoa, Luciano Cartaxo, e como patrono o prefeito de Patos, Dinaldinho Wanderley, ambos também agraciados com o prêmio. Tudo esteve irrepreensível. Decoração, buffet, organização e um jantar de primeiríssima qualidade. O buffet sob responsabilidade de Damião do Rancho. Parabéns a Pedro Oliveira Alves e Soliandra César Alves e todos que participaram da organização. Obrigado também pela nossa inclusão entre os CONSTRUTORES DO FUTURO. (LGLM)

Washington Lustosa promoveu neste sábado o evento Contos Históricos de Patos

 

O evento aconteceu em sua Casa de Eventos na rua Carlota César, no Jardim Queiroz, e homenageou Chico Bocão, Edleuson Franco, José Murilo, Vavá Brandão e Romildo LelaParticipamos do evento aduzindo fatos que conhecíamos de cada um deles,  à medida que Damião fazia cada apresentação. A Casa de Eventos estava lotada de parentes dos homenageados, de amigos das famílias e de convidados dos organizadores. A seguir a cada homenagem era entregue a um parente um troféu alusivo. O ativista cultural João Rebolado participou também da organização do evento. A Washington e a João obrigado pelo convite e parabéns pela realização do evento. Um abraço para os muitos amigos que encontrei por lá. (LGLM)

Lola promoveu Cantoria e Palestra sobre cordel na sexta na Fundação Ernani Sátyro

 

A cantoria e palestra teve a participação dos poetas Oliveira de Panelas e Jomaci Dantas, com boa presença de público. Na oportunidade foram homenageados também os poetas Romano de Mãe Dágua e Odilon Nunes de Sá. Na plateia o prefeito de João Pessoa, Luciano Cartaxo, o vice Manoel Júnior e o empresário Pierre Landolt. Os poetas haviam passado a tarde na Fazenda Tamanduá do Dr. Pierre onde deverá acontecer em breve uma apresentação de diversos poetas. Lola e Oliveira se apresentaram neste sábado no Mocambo a convite do poeta Ramon Medeiros, de Chagas e Fatinha. (LGLM)

Sem êxito na eleição da câmara, Toinho Nascimento afirma que não haverá divisão na base do governo municipal

 

(Patos Online)

O vereador Toinho Nascimento (PSDB) não obteve êxito na eleição da Câmara Municipal de Patos, referente ao segundo biênio, uma vez que o vereador Sales Junior (PRB) conseguiu se reeleger por 10 votos a 7. O pleito aconteceu na manhã deste sábado (02).

Nascimento disse que a eleição foi democrática e agradeceu aos que acreditaram no seu nome. Ele ainda enfatizou que a eleição passou e que agora é o momento de desarmar as bandeiras e todos começarem a trabalhar pelo povo.

– Não podemos desistir nunca, jamais. As coisas acontecem e nós vamos em frente.

Nascimento acredita que não haverá divisão na base do governo municipal, mas não descarta que possa ocorrer alguma alteração na câmara. Ele afirma que vai lutar para que a base continue forte e unida em prol de demandas para o povo.

 

Secretário de Esportes de Patos afirma que o José Cavalcanti terá plenas condições de sediar o Campeonato Paraibano

 

A situação dos estádios de futebol da Paraíba já começa a ser notícia nos veículos de comunicação que buscam saber como anda a estrutura desses locais em cada cidade, tendo em vista a preparação para o Campeonato Paraibano 2018.

Em se tratando da cidade de Patos, o secretário municipal de Cultura e Esporte, Nalfrânio Sátiro, disse recentemente que o Estádio José Cavalcanti teve que passar por algumas melhorias, e que a única coisa pendente até o momento é a ausência das catracas novas.

Em relação ao restante da estrutura, o secretário disse que recebeu algumas sugestões sobre como informar certos aspectos aos torcedores, inclusive através de placas informativas.

Ele garantiu que tudo que for exigido vai ser cumprido, e que o campeonato vai ocorrer normalmente.